Atores do Carnaval, Durval Lélys, Ricardo Chaves, entre outros, buscam alternativas fora da Bahia, caso festa não aconteça

Escrito em 13/11/2021
Bruno Cerqueira

Alguns artistas e donos de trio elétrico já fecharam contrato ou estão negociação com outros estados

Faltam cerca de 100 dias para o Carnaval de 2022 e ninguém ainda sabe se festa acontecerá em Salvador. A demora em anunciar a realização – ou não – do evento criou um mal estar entre integrantes do setor cultural e o Governo do Estado. Enquanto o governador Rui Costa (PT) não se reúne com o prefeito Bruno Reis (DEM) para tomar uma decisão, artistas e donos de trio elétrico já estão buscando alternativas fora da Bahia.  

Flávio Souza, presidente do Conselho Municipal do Carnaval (Comcar), pensa do mesmo modo: “Claro que os dois [Rui Costa e Bruno Reis] vão tomar a decisão em conjunto. A gente só pede que isso aconteça logo e que o Carnaval seja anunciado para o turista e o mercado se planejarem, buscar patrocinadores, vender ingressos. Essa definição está provocando evasão de bandas, de atores”.

Um dos artistas que já negocia com outras cidades é Ricardo Chaves. “De confirmado, Maranhão e o Rio Grande do Norte. Mas, temos pedido de shows para o Pará, Minas Gerais, Pernambuco e São Paulo. Parado, ele não vai ficar. Por enquanto, nosso único compromisso em Salvador é no Carnavalito. Os demais estão disponíveis para outros estados”, afirma o empresário Beto Ramos. 

O cantor Durval Lélys, também, já fechou toda sua agenda do Carnaval e decidiu não sair em nenhum bloco de Salvador. “Aqui, ele só estará na quinta-feira e no sábado de Carnaval para tocar em dois camarotes. O restante vai ser todo fora de Salvador”, conta o produtor Fred Goes. O artista vai se apresentar em São Paulo, Recife e Belo Horizonte. Essa última cidade, inclusive, também vai ter a presença de Ivete Sangalo no Carnaval.  

Comcar deliberou realização do Carnaval

Na última quinta-feira (11), o Comcar até deliberou a favor da realização da festa em 2022 em Salvador, mas o prefeito Bruno Reis explicou que isso não significa que o evento será mesmo realizado. “É natural que esse segmento tenha o desejo que aconteça. Era algo que estava dentro do previsto, mas como o momento exige toda cautela e precaução, estamos deixando, tanto eu, como o governador, para se reunir e tomar a decisão sobre o Carnaval de 2022 mais pra frente. Qualquer discussão sobre esse assunto agora só vai trazer mais instabilidade”, afirmou.